2021/2022

Objetivos

O rápido progresso das tecnologias de informação e comunicação (TIC) induz alterações profundas na sociedade, bem visíveis no tempo presente, atingindo todos e tudo a um ritmo vertiginoso.

O digital tornou-se incontornável na forma como vivemos, individual e coletivamente. Em particular, a digitalização massiva de documentos e processos (Transição Digital) tem permitido avanços significativos tanto no sector privado como público. Especificamente, trazem novas condições para melhorar a governação (incluindo governo eletrónico), a administração pública e serviços de interesse público essenciais, sejam eles providenciados pelo Estado, empresas privadas ou sociedade civil. No entanto, estas novas condições suscitam o surgimento de problemas novos, muito para além das competências tecnológicas. Designadamente, o modo como a tecnologia é utilizada e como são alterados os comportamentos e os processos (Transformação Digital).

O planeamento é uma disciplina vasta, que visa a preparação de decisões para atingir objetivos específicos tendo em conta as condições associadas aos recursos requeridos e os níveis de exigência respeitantes à qualidade dos ambientes naturais e sociais. Em particular, o planeamento aplica-se a formulação e implementação de políticas, da análise institucional aos quadros regulatórios, do processo decisório à participação pública. O planeamento é uma interface essencial entre os órgãos de governo e os cidadãos e suas organizações, sejam elas com ou sem fins lucrativos, de natureza social, económica, ambiental ou cultural.

O e-Planning é uma área emergente na interface destes domínios. O foco do Programa Doutoral em e-Planning é o estudo e o desenvolvimento das interações entre as TIC e o planeamento e das questões emergentes nestas áreas, com especial ênfase na capacitação dos cidadãos para intervir na vida pública. O Programa integra o grau de doutoramento com uma agenda de investigação, programas de intercâmbio nacional e internacional, e programas de ligação entre a academia, as empresas e a sociedade civil.

A agenda de investigação e-Planning

I - Infraestrutura de conhecimento e-Planning
Mapeamento da sociedade do conhecimento e do conhecimento sobre planeamento.

II - e-Planning para o governo do futuro
Governo mais eficiente e responsável ao nível local, nacional e internacional; mais próximo dos cidadãos, mais capacidade, melhores serviços.

III - e-Planning para nova governança
Novos serviços para o bem comum, melhores instituições, criação de capacidades institucionais, melhor regulação para um mercado mais transparente e para enfrentar as atuais falhas de mercado, melhor equilíbrio entre segurança e eficiência vs. Liberdade, ferramentas para melhor equidade e menos exclusão.

IV - e-Planning para a cidade e o território
Cidades com melhor qualidade de vida, novas funcionalidades, promotoras de inovação, mais atrativas e competitivas; melhor planeamento territorial, incorporando as novas TIC; caminhos para a eficiência de uso dos recursos e um estilo de vida sustentável.

V - e-Planning para a nova cidadania
Capacitar cidadãos melhor educados e informados, mais participativos, críticos e responsáveis; melhor balanço entre os desafios tecnológicos e a ética, liberdade e privacidade pessoal.

Pela sua transversalidade social, a agenda promove a convergência de um conjunto alargado de áreas do saber num processo de aproximação entre as ciências, as tecnologias, as humanidades e as artes.

Regime de Funcionamento

Curso ministrado em associação entre a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e a Faculdade de Ciências e Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (integração da Faculdade de Arquitetura a aguardar confirmação pela A3ES).

Propinas

Consultar valores aqui.